quarta-feira, 31 de agosto de 2011

O Homem: Potencialidade e efetividade.

A partir do momento em que o “ser humano civilizado” travou contato com as ditas comunidades “primitivas” que viviam sem roupas, comiam carne crua e muitas até carne humana, surgiu a dúvida: o que distingue o homem do animal? Esses povos primitivos tinham determinados comportamentos tidos como animalescos, contudo, outros eram bastante humanos. Ao nos depararmos com esse dilema sobre o que define o homem, muitos lançaram suas hipóteses. Uns naufragaram na nau da mesmice outros naufragaram na nau da soberba. Fato é que após Darwim a nocão de homem ficou em suspenso - sem culpa nenhuma do próprio Darwin - e temos somente pequenos ensaios.
Arrisco-me agora a propor um critério: a gentileza indistinta! O Mundo contemporâneo nos instiga a competitividade, mas para que? O mesmo mundo contemporâneo se envaidece de sua praticidade. Tudo tem um propósito, é prático, mas qual é o objetivo da competitividade? Que se coloquem inúmeras teorias para responder essa pergunta o que mais salta a vista é o lado prático da competitividade. Na pratica competitividade gera um ganhador e uma horda de aborrecidos prontos a conspirar contra o ganhador somente para que este não ganhe novamente. Caso o conluio seja bem sucedido, teremos os primeiros derrotados novamente se acotovelando para ocupar a vacância do primeiro lugar. Ai o círculo se fecha e o embate volta ao seu inicio: um vitorioso e um monte de derrotados. Atitude típica de animais para ver quem será o “macho alfa”. Aquele que ficará com as fêmeas (ou machos) do grupo; que ficará com a maior fatia do alimento ($) deixando o “resto” aos derrotados.
Existe, contudo uma potencialidade dentro do ser humano: a gentileza! Todavia, conhecemos muito pouco dessa potencialidade. Traduzimos gentileza em ceder o lugar; ou em expressões do tipo “obrigado”; “por favor”; mas isso são apenas pequenas pistas do que realmente é gentileza. Em tempos de vacas gordas todos são amigos. Choppinho no bar da moda; disputa para ver que saca mais rápido o cartão de crédito para fazer bonito... O problema surge quando as vacas estão caminhando ordeiramente para o mais profundo brejo! Não há saída! Precisamos salvar nossa pele! É nesse momento que o “animal” aparece!
Falando francamente: quantas vezes você realmente teve que salvar sua pele (realmente e não metaforicamente)? Ocorre quase sempre uma pequena confusão entre a realidade e a metáfora. Agimos como se estivéssemos salvando nossa própria pele - coisa de vida ou morte -, quando ela realmente não está em risco! Apenas nossos medos trouxeram à tona uma animalidade irracional e que nos fez agir de modo estúpido. Sim estúpido, pois se nossa ação tivesse algum tipo de respaldo do instinto que nos obriga a agir imediatamente frente a um perigo real estaríamos por ele respaldados. Contudo, foi somente uma resposta impensada e irrefletida: estúpida!
Confine um bom tanto de pessoas em um dos nossos famosos “Big brother’s” e veremos vários gestos puramente animais. Todos querendo salvar a própria pele! (R$1.500.000,00).
Gentileza é enxergar através de toda essa animalidade. É ver que por traz dessas atitudes ferozes e selvagens existem seres humanos! Gentileza é ter a nítida compreensão de que não há nenhum risco de morte iminente e que podemos escolher se vamos nos portar como animais ou como seres humanos. A gentileza é uma potencialidade, mas ela fica em segundo plano, pois a visão que vulgarmente temos do mundo é a da competitividade. O mundo se apresenta sempre como um sinal de perigo. O que precisamos afastar é essa visão distorcida do mundo e vê-lo como realmente ele é. Salvo raríssimas exceções o ser humano comum nunca enfrentou um único perigo de vida e morte em toda sua vida que justifique uma atitude com tal grau de animalidade diária.
Torna-se agora uma questão de escolha. Veja o mundo como ele realmente é e não através do espesso filtro dos seus próprios medos. E a gentileza poderá transformar-se em efetividade, mais do que somente um recurso humano armazenado em nossas poeirentas prateleiras de potencialidades genuinamente humanas. 

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Jadir entrevista na TVORKUT

Olá amigos do blog filosofia nas empresas. Assistam no dia 08/08/2011 a entrevista na TVorkut (http://www.tvorkut.com.br/) Estaremos abordando o tema filosofia nas empresas no programa da Monica Sertã...Espero por todos voces.. e abraço a todos