sexta-feira, 27 de julho de 2012

Evolução das espécies?

A teoria evolucionista de Darwin não chegou às terras tupiniquins sem antes passar por uma alquimia onde se quis de algum modo extrair sua quintessência prática. Um pragmatismo utilitarista transformou a regra de sobrevivência do mais adaptado em um simples: “o mais forte vence!”. Por conseguinte “o mais fraco perde”. Isso produz um matiz que leva nossos olhos a ver o mundo a partir de uma perspectiva dual: Se você não é predador é presa e o perigo não é apenas de morte, na teoria darwiniana o risco é de extinção da espécie!
De fato, quando observamos a natureza mais bruta dos animais, por assim dizer, menos evoluídos, observamos até certo modo essa polaridade de presa e predador. Os comportamentos dos animais variam muito pouco em sua finalidade. Ou estão predando, ou fugindo de serem predados, descansando, se alimentando ou preservando a espécie, isto é acasalando... Se traçarmos um paralelo com o mundo corporativo, vemos muita gente “lutando pela sobrevivência”. Não que haja algum outro predador voraz capaz de nos transformar em almoço ou jantar, mas nossos comportamentos cotidianos mais premiados são os que levam o foco e a determinação do leopardo, a força do tigre, a grande visão da águia ou a astúcia do lobo. Certamente estas são características bastante interessantes, mas existe uma profunda diferença de propósito. Enquanto nos animais essas capacidades lhes rendem a adaptação necessária à sua sobrevivência. O ato é instintivo, tanto quanto natural. Resposta imediata à necessidade premente. Nos homens essa regra não se aplica.
Não corremos o risco de extinção de nossa espécie. Não há nenhum predador voraz ao nosso lado. Tampouco temos a necessidade de lutar por alimento ou ter a certeza de que não é a hora da onça beber água. Mas muitas vezes reagimos de modo imediato ao iminente risco. Que risco? Mapeamos as respostas aos nossos comportamentos e descobrimos como lidar com cada uma delas. Se alguém nos responde de modo imprevisível, ai está o risco! Essa pessoa é perigosa! Não sabemos que riscos ela ira nos oferecer, então, o melhor a fazer é eliminar o perigo. Resposta imediata ao perigo. Instinto? Não. Apenas um comportamento irrefletido frente ao medo de um risco inexistente.
Nos animais o instinto é natural. Uma resposta imediata, isto é, sem reflexão à demanda atual. Nos homens a ação imediata soa mais como uma fuga dos perigos, mas que perigos? Nossos medos são, na maioria das vezes altamente irracionais, para não dizer irreais. Temos medo de não atingir nossa expectativa, mas as expectativas somos nós mesmos que criamos e também podemos mudá-las. Isso quer dizer que temos medo de nossa própria criação, de nossas próprias fantasias. Contudo, é com tanta freqüência que vemos os mesmos tipos de comportamentos, tendo a fuga dos medos como propósito, que passamos a crer que, de fato, eles sejam reais. Pura generalização! É que nossa absorção das ideias darwinistas formou em nossa consciência, não somente um filtro da realidade, mas uma capacidade de produção de realidade distorcida. Mesmo que racionalmente saibamos que não há risco algum de extinção ou de morte, nossos comportamentos estão tão contaminados e atravessados desse medo irreal que a razão, ao menos em primeiro momento, será incapaz de transformar a conduta. Mesmo que a reflexão nos convença de que é preciso mudar nossa conduta o hábito ainda nos impelirá a ter os mesmos comportamentos. Ainda teremos os mesmos comportamentos imediatos, isto é, irrefletidos, por força desse mesmo hábito. Será preciso um esforço adicional para transformar nossa conduta.
Para uma gazela com sede a figura de um leão não despertará maior interesse se ele estiver aproveitando uma sombra refrescante após o fastio de uma bela refeição. O mesmo não se dará se o leão adotar outra atitude. O instinto da gazela dará conta das sutilezas. Enquanto sacia sua sede, naturalmente sua orelha pode virar e revirar de um lado para outro a procura de pequenos indícios de mudança de atitude do leão e qualquer indício fará com que se mobilize e empreenda esforços para a escapada. No animal a reação sucede a ação do leão de modo imediato, sem necessidade de reflexão. A resposta é, como se costuma dizer, instintiva.
No nosso caso as imagens formadas internamente como representação cumprem nesse contexto função análoga. Não se trata de iluminar tal ou tal aspecto com nosso intelecto, mas sim de obscurecer o que não é interessante para que se tenha vistas aos fins que interessam. Abstrair o que não interessa é também subtrair! Nossa atenção submetida às exigências da inteligência não tem competência apurada a ponto de processar todas as informações que nos circundam. Desse modo é preciso que de todo esse real se subtraia o que não interessa, para que possamos agir de modo eficiente àquilo que nos interessa.
O risco ocorre quando perdemos a conexão com a realidade e passamos a temer aquilo que nós mesmos criamos. Talvez ainda precisemos de alguns ajustes para nos considerarmos uma espécie mais evoluída. 

segunda-feira, 16 de julho de 2012

Apropriação indébita!


Karl Marx no sec. XIX nos dava conta de uma apropriação feita pela classe dominante sobre o proletariado de horas de trabalho que seriam desnecessárias para sua melhor produção. Por exemplo, se um trabalhador levasse cerca de quatro horas para produzir 10 pares de sapato, o que já seria suficiente para pagar sua mão de obra, os custos fixos e variáveis de produção, bem como o lucro, ele, ainda assim, era obrigado a trabalhar outra seis ou sete horas adicionais pelo mesmo valor, isto é, os donos da produção se apropriavam, além do lucro, das demais horas do trabalhador. De um modo bem grosseiro essa é a idéia de “mais-valia”. 
Hoje no Brasil e em boa parte do mundo temos certas leis que regulam um tanto quanto melhor a relação entre as empresas e seus trabalhadores. Tanto quanto hoje é, em geral, um pouco mais difícil se estabelecer a relação entre horas de trabalho e produtividade. O valor de um planejamento, do envio de um email, elaboração de um cronograma... são atividades tão impalpáveis que pode valer X ou nX. Mas não é exatamente de Marx ou de mais-valia que eu quero falar, mas sim de uma apropriação de tempo que, por vezes, pode até parecer espontânea.
Pouco tempo atrás, me lembro que a diversidade de atividades que executávamos ao longo de uma semana tinha vários propósitos diferentes. Trabalhávamos e isso tinha relação com satisfação profissional ou com o dinheiro. Estudávamos e isso tinha relação com a educação, a civilidade, aquisição de conhecimento. Saiamos com amigos e criávamos relacionamentos sociais. Tínhamos algum tipo de atividade religiosa e isso era coisa espiritual. O descanso era para a saúde ou para o corpo, a TV era para entretenimento ou diversão. O passeio no final de semana era de convívio com amigos, familiares ou puro laser.
Hoje, por outro lado, se estudamos é para ter um ganho competitivo no mercado de trabalho. Se saímos com amigos estamos, na maior parte das vezes fazendo networking. A atividade religiosa pode ser aquela que te trará maior influência no ambiente de trabalho. No final de semana o churrasco é com os colegas do escritório, então não fica bem faltar. A TV serve para estar bem informado para os negócios ou para o assunto do cafezinho. Até o nosso sono, muitas vezes tem por objetivo muito menos nosso descanso físico e mais nos deixar preparados para trabalhar no dia seguinte.
Parece que todos os propósitos se voltam a uma única e mesma direção: o trabalho. Deixamos de descansar para o nosso corpo. Aqui se deve fazer uma pequena pausa para esclarecer um ponto que parece igual, mas não é. Quando dizemos “por que?”damos conta do motivo. Quando dizemos “para que?” dizemos o propósito. Claro que o motivo de dormirmos é descansar o corpo, mas muda o propósito. A diferença que estou apontando é que antes dormíamos por nosso corpo e para nosso corpo. Hoje é para o trabalho.
Outro ponto de nossa vida que fica bastante comprometido é a família quando fica doente ou mais velha, isto é, quando requer mais atenção. Poucos chefes ou empresários, ou se podemos dizer cronogramas toleram faltas, atrasos ou ausências devido a cuidados necessários com pais, ou avos idosos. Uma ou outra vez isso é tolerado, mas muitas vezes a dificuldade se alonga requerendo mais tempo e mais dedicação, mas não há nenhuma linha sequer em qualquer cronograma para “contratempos com doenças de idosos”. Nesse aspecto os idosos não passam de contratempos que devem ser eliminados. Em nossa organização social o idoso ou o doente somente cabem, na medida em que são consumidores de serviços ou de remédios ou de qualquer outro produto. Crianças não! Essas são um excelente mercado consumidor e ainda de longo prazo. Invista-se nesse mercado e é lucro na certa! Diria o mercado!
Nossa organização e planejamento social estão centrados no capital e não na realidade. O trabalho se apropria de nosso sono, pois não dormimos mais pelo corpo, mas dormimos para que o corpo esteja apto a realizar seu trabalho e não se torne um empecilho a realização das atividades. Já não comemos para o corpo, já não estudamos para nos, já não nos divertimos para nos, já não estudamos para nos, mas para o mercado de trabalho, pra o capital.
Muitas dessas escolhas ficam perdidas em nossa consciência somente na diferença entre o “por que” e o “para que”. Diferenças sutis no entendimento, mas que em termos gerais nos levam a outro destino. E ai voltamos a Marx: alienação. Pouco temos consciência da diferença de propósito, apenas dormimos, apenas vemos TV, apenas vamos ao churrasco, apenas nos encontramos com os amigos. Em grande parte das vezes absorvidos por um propósito que não é nosso.